16.8 C
Curitiba
terça-feira, 20, abril, 2021 | 01:15:45 PM

A gente se vê ontem

Um filme que conta com Michael J. Fox no elenco, cujos personagens viajam no tempo e não se trata da trilogia “De Volta para o Futuro” merece atenção…não? E se acrescentar que foi produzido por Spike Lee???

Então que “A gente se vê ontem”, disponível no Netflix, tem tudo isso e ainda – quase que profeticamente, já que foi lançado em 2019 – toca em um dos assuntos mais falados deste ano: violência policial contra negros (“black lives matter”).

A obra conta com dois adolescentes afro-americanos super “nerds” (Claudette e Sebastian) como personagens principais, que conseguem, através de uma engenhoca construída e guardada dentro de uma mochila, viajar algumas horas no tempo. O objetivo dos adolescentes é singelo: vencer a feira de ciências do colégio para conseguirem bolsas de estudo nas melhores universidades americanas.

Porém, a “grife” Lee já nos créditos iniciais denuncia que de “ordinário” o filme não tem nada. A trama de viagem no tempo é apenas o pano de fundo para uma crítica social ferrenha e bem construída: o assassinato de jovens negros pela aclamada “NYPD”. A grande sacada do filme é fazer com que esses dois argumentos tão longínquos – racismo e deslocamento temporal –  se cruzem e de forma verossímil (dentro de um universo no qual pode se transitar no tempo, diga-se de passagem).

O ponto de virada da história se dá a partir da morte do irmão de Claudette, assassinado à luz do dia e diante de várias testemunhas pela polícia (muito familiar este contexto, aliás…). Os desdobramentos deste fato, bem como as implicações das viagens temporais, deixam o espectador vidrado e tentando adivinhar o que acontecerá.

Mérito do roteiro e também da produção. Tudo se encaixa… Cenários, figurinos, atuações e trilha sonora. À primeira vista trata-se de uma ficção científica despretensiosa e esquecível. Porém, todo o contexto do drama social do racismo e da violência policial dão à película profundidade suficiente para posteriores reflexões.

Ah, e ver Michael J. Fox aparentemente bem e atuando, ainda no papel do cético professor que não acredita em viagem no tempo, é simplesmente sensacional.

Recomendo.

OBS: nesta quarentena, incentivada pelo meu amigo Bruno, virei fã dos Podcasts. E foi no ótimo “Braincast” que ouvi essa indicação. Recomendo também… na pauta, criatividade, tecnologia, cultura digital, inovação e negócios. (Tipo… feito para mim!)

 

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Tubocast #08

Neste episódio recebemos o médico infectologista Eduardo Ditzel e a farmacêutica bioquímica Gisele Padilha onde falamos sobre o Estudo...

Filhos de Istambul

A dica da semana vem da Turquia, e a exemplo dos belíssimos e já conhecidos do Ivi...

O som do silêncio

“O Som do Silêncio”, produção do Amazon Studios e disponível via streaming no Prime Video, vai te...

O grande desafio

Reindustrializar o país será a tarefa de nosso tempo Está se formando, ainda timidamente, um consenso de que a...

Loucura de amor

https://www.youtube.com/watch?v=GB23kYSdtG0&feature=youtu.be Minha coluna aqui agora é eletrônica, oriunda da minha participação semanal no Tertúlia, toda sexta, na TV Democracia. Nesta semana...
1,172FansLike
34FollowersFollow
302SubscribersSubscribe
Curitiba
nuvens quebradas
16.8 ° C
17 °
16.7 °
100 %
2.1kmh
75 %
sáb
25 °
dom
22 °
seg
28 °
ter
28 °
qua
26 °

Artigos Relacionados