16.8 C
Curitiba
domingo, 09, maio, 2021 | 04:53:21 PM

Realidade Imposta: as revelações trazidas à tona pela pandemia.

A pandemia do novo coronavírus, que já vitimou mais de 230 mil brasileiras e brasileiros, escancarou diversas facetas outrora não percebidas ou ignoradas pela sociedade. 

Ao passo que mostrou a força e importância do SUS (Sistema Único de Saúde) para o nosso país, também desnudou a enorme dependência que o Brasil tem no complexo industrial da saúde de nações estrangeiras, principalmente dos Estados Unidos e China. Apressou mudanças já previstas no mercado de trabalho, aprofundando a necessidade da presença digital, inclusive para microempreendedores; ao mesmo tempo que destaca, grita, berra, a incompetência do atual governo, principalmente deste Ministério da Saúde, falhando miseravelmente, até mesmo no controle de estoque de medicamentos, respiradores e oxigênio. Demonstrou o triste cenário da pirâmide social nacional, onde tantos compatriotas dependeram exclusivamente do auxílio emergencial para sobreviver, não tendo outra alternativa de renda durante as medidas (tão pouco efetivas e respeitadas) de isolamento social.

Todavia, no plano macroeconômico global, ainda que imperceptível para o “grosso” da população, a oferta das vacinas desvelou a pedante posição geopolítica do Brasil, bem como seu posto na hierarquia de prioridades entre as nações, ainda que ocupando a posição da nona maior economia do planeta – em um contexto de uma década sem crescimento e de longa gama de crises (institucional, política, econômica e social). Digo isso pois recentemente foi veiculado que os países mais ricos, os quais concentram apenas 16% da população mundial, resguardam para si (até o momento) cerca de 60% das vacinas disponíveis no planeta.

Visto que esta é uma crise de impacto global, a fantasia da solidariedade entre as nações fica em segundo plano diante da escassez de insumos e doses. Ou seja, mais do que nunca a distância do centro capitalista aumenta em relação à sua periferia. O leitor deve estar se perguntando se isto não é normal diante do sistema capitalista. De fato, é. E obriga as nações periféricas a apostarem no seu desenvolvimento, no refino de suas indústrias. Quem não os faz, destina seu país a um ciclo vicioso de dependência que, nestes momentos de crise planetária, podem sufocar o próprio futuro da nação.

O Brasil enquadra-se neste contexto. Portanto, é hora de rechaçar completamente a ideia vã de que existirá desenvolvimento aqui às custas dos estrangeiros. Precisamos, mais do que urgentemente, de um projeto nacional que extermine este tão profundo grau de dependência internacional.

Ainda, a situação brasileira se agrava e me leva à revolta com o atual governo federal, pois três das nações com maior protagonismo imunizante são a China, a Índia e a Rússia. Curiosamente, todas são membros do bloco conhecido como BRICS, que para além dos três países, engloba Brasil e África do Sul. A título de curiosidade, somando-se os cinco países, constatamos que nele encontram-se cerca de 40% da população terrestre. Dito isto, devemos condenar veementemente a desastrosa política externa do governo Bolsonaro, capitaneada por um sujeito que teve como primeiro posto de sua vida na carreira diplomática justamente a chancelaria da República. Ernesto Araújo, capacho de seu chefe, pratica uma política externa que fere as tradições brasileiras de independência, vindas desde o governo Jânio Quadros, no contexto da Guerra Fria, e sujeita o importantíssimo Itamaraty à uma vergonhosa subserviência imperialista, aliando-se automaticamente aos interesses do ex-presidente estadunidense, Donald Trump. Pelo alinhamento imediato promove-se também o desalinhamento automático dos rivais da América do Norte, como China e Rússia, nossos parceiros no BRICS. 

Como não lembrar do próprio chefe do Executivo brasileiro referindo-se ao coronavírus como o vírus chinês? Como esquecer da estagnação federal nas negociações pela Coronavac, tendo o próprio Jair Bolsonaro dito que sua procedência era “duvidosa”? Em nome de que toda esta presepada institucional? Bolsonaro deve lembrar que não é o dono de um botequim e sim o presidente da República. Suas falas possuem caráter institucional. Quando fala asneira, não é ele que sofre as consequências sozinho (bom se fosse), mas sim, todo o povo brasileiro. Mister recordar que o governo federal recebeu três ofícios do Instituto Butantan oferecendo 60 milhões de doses da CoronaVac. Nenhum foi respondido pelo Ministério da Saúde. O presidente ainda disse publicamente que não iria comprar nenhuma dose da “vachina do Doria”. Agora, a demanda mundial cresceu e o governo perdeu totalmente o ‘timing’ da negociação, deixando o Brasil com escassez de doses, mesmo tendo uma vacina nacional com eficácia devidamente comprovada.

Diante dos fatos, ainda que no limite pareça exagero chamar o presidente de genocida, a realidade mostra que (mesmo que de forma ‘não intencional’, aqui validado pelo benefício da dúvida) seus posicionamentos contraditórios com a necessidade de seu povo dão vazão a uma necropolítica. E a cada dia que passa mais brasileiros morrem pela falta de organização no combate à disseminação do vírus, em uma média de mais de mil óbitos diários nos últimos 20 dias. 

Portanto, resta imperioso que o Brasil adote uma postura racional, séria e independente na gestão da crise sanitária para evitar maior morbidade em solo pátrio. Infelizmente, este cenário soa inatingível diante da administração Bolsonaro. Logo, por ter cometido – aos montes – crimes de responsabilidade, o povo brasileiro deve clamar e se fazer ouvir pelo impeachment do presidente da República. Sabe-se que a promessa de “não fazer o toma lá dá cá” foi apenas promessa e Jair ‘conquistou’ o apoio do centrão, ala dominante do congresso. Com isso, a lógica é que o impedimento não passe no parlamento. Contudo, vale lembrar que o centrão não é nada leal, extremamente preocupado com o fisiologismo e tem memória curta. Logo, caso o povo manifeste-se visivelmente, nem mesmo o dinheiro e a “mamata” são capazes de salvar o Messias. 

Mobilizar!

#FORABOLSONARO

Artigo anteriorMank
Próximo artigoFilho feio não tem pai

FAÇA UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente Jair Bolsonaro fala em constituição de duas vias

O presidente Jair Messias Bolsonaro, neste domingo 3 de maio, participou de manifestação realizada em frente ao Palácio do...

Cuba e o cameraman

"O cineasta vencedor do Emmy Jon Alpert acompanha a trajetória de três famílias por quatro conturbadas décadas...

Gabo

A coluna desta semana vai além da dica... beira o tributo. O documentário “Gabo – A criação...

Filhos de Istambul

A dica da semana vem da Turquia, e a exemplo dos belíssimos e já conhecidos do Ivi...

O som do silêncio

“O Som do Silêncio”, produção do Amazon Studios e disponível via streaming no Prime Video, vai te...
1,172FansLike
34FollowersFollow
302SubscribersSubscribe
Curitiba
nuvens quebradas
16.8 ° C
17 °
16.7 °
100 %
2.1kmh
75 %
sáb
25 °
dom
22 °
seg
28 °
ter
28 °
qua
26 °

Artigos Relacionados